Pretende-se, por meio desse curso, fomentar Centros de Memória Escolar já existentes em unidades da rede municipal de ensino, bem como colaborar para a criação de outros. Relacionando conceitos de memória, patrimônio cultural, arquivos, entre outros, com as práxis educacionais, o curso deverá, inicialmente, ser um espaço de mediação para partilhar conhecimentos e especificidades relativas ao trato com a documentação e a constituição de centros de memória. Além disso, abarcará os estudos de caso trazidos pelos cursistas para a construção coletiva de uma agenda de iniciativas relativas à memória escolar em unidades da SME.


ementa_c44.pdfementa_c44.pdf

QUALIDADE SOCIAL DA ESCOLA PÚBLICA

Resumo: Pensar no “bom ensino”, tal como defende Vygotsky (2001) é reconhecer nesse processo elementos relevantes para a avaliação da aprendizagem. Na escola, a avaliação é o meio pelo qual podemos observar se os conteúdos ensinados foram apropriados pelos estudantes e se estes conteúdos se constituem em elementos que modificam a forma como os estudantes pensam e agem diante de determinadas situações. Além disso, a escola é também espaço para a socialização e formação cidadã, objeto da qualidade social não aferida somente por avaliações padronizadas externas.


COMO AS RELAÇÕES ENTRE ESPAÇOS E TEMPOS E MÚSICA EDUCAM?

O grupo de estudo refletirá sobre relações entre teorias e práticas educacionais, com ênfase na importância de encontros entre o pensar e o fazer, contribuindo para a construção de intensas relações entre os Documentos Curriculares da Secretaria Municipal de Educação de Campinas e as práticas educacionais nas escolas. Nesse tipo de construções, os textos saltam das páginas e se entrelaçam às vivências e experiências pedagógicas do cotidiano. Dialogaremos e faremos educação entre o “Caderno Curricular Temático de Espaços e Tempos”, o “Caderno Curricular Temático de Arte, Música e Educação: tudo é coisa musical...”, em vias de publicação, e a Educação Infantil, tratando com concepções e princípios que os atravessam.